Sumário
    Add a header to begin generating the table of contents

    Introdução

    Neste post, será possível estudar algumas características básicas dos artigos científicos, como, por exemplo, as referências e a inexistência de suspense no texto científico.

    Ao se compreender como se deve escrever um artigo científico, você conseguirá elaborar textos que tenham as características exigidas em toda escrita científica, aumentando a probabilidade de obter o sucesso de publicar o seu trabalho.

    Além disso, buscaremos solucionar algumas dúvidas concernentes à tradução de seus artigos científicos para publicação internacional.

    Citação e Referências

    Uma das principais características dos artigos científicos é a necessidade de se referenciar os dados e as informações apresentados.

    Ao se afirmar algo em um artigo científico, é fundamental apontar de onde você retirou os dados, as informações ou as citações de outros autores.

    Assim, lembre-se de que, na escrita científica, é relevante que você comprove tudo o que você afirmou, inclusive para permitir ao seu leitor a verificação dos resultados de sua pesquisa divulgada no artigo científico.

    A importância de realizar referências em textos científicos está conectada com a atitude de um cientista e com a honestidade acadêmica, ou seja, o cientista deve testar e buscar o avanço da ciência, em outros dizeres, os seus trabalhos devem ser estudados por outros pesquisadores e estes devem contestar ou continuar o trabalho apresentado no artigo científico.

    Além disso, a honestidade relaciona-se ao fato de se comprovar de onde se extraiu os dados, as informações e as citações de outros autores, isto é, as afirmações apresentadas no artigo científico são suas, decorrentes de sua pesquisa, ou de um outro autor?

    Assim, para que a ciência avance, é preciso deixar claro quais são os seus resultados obtidos em sua pesquisa e quais são os resultados de pesquisas auferidos por terceiros os quais contribuíram para a elaboração de seu trabalho.

    Desse modo, os pesquisadores trabalham em uma rede de colaboração e, portanto, o avanço de um permite a elaboração de uma nova pesquisa por outro cientista.

    Ademais, este é o motivo de se calcular o H-index por meio do número de citações de determinado artigo científico ou de certa revista.

    Consequentemente, o impacto de publicações está, diretamente, conectado com o número de citações realizadas em outros trabalhos científicos.

    Neste diapasão, veja inclusive a publicação de 19 de novembro de 2019 no Jornal da USP em que se considera como pesquisadores mais influentes aqueles que possuem mais citações.

    O fator de impacto das publicações apenas é relevante se for considerada importante a citação em artigos científicos, logo, esse é o motivo de ser necessário comprovar cada uma das suas afirmações.

    Recomendações quanto às referências e citações

    Neste sentido, algumas recomendações tornam-se necessárias, como, por exemplo, não cite apenas um ou dois autores por tópico de seu artigo científico, pois isso demonstra a imaturidade científica da publicação, já que houve pouca pesquisa e todo o trabalho apenas se pauta em uma ou duas obras para sustentar determinado item do texto científico.

    Além disso, mencione os posicionamentos contrários ao que você sustenta no artigo científico ou os dados que são obstáculos para se comprovar a sua hipótese de pesquisa.

    Não existirá texto argumentativo, logo, científico, se você não apresentar os posicionamentos diversos ao defendido por você.

    Caso você faça a análise de determinado trabalho de certo autor, lembre-se de que é preciso analisar os textos de seus comentadores para avaliar outras perspectivas.

    Cada parágrafo de seu artigo científico deve conter referências e citações, ou seja, em média, 80% de seu trabalho científico deve ser sustentado por meio de referências.

    Neste diapasão, lembre-se de que, na introdução e na conclusão, você deve evitar citações, pois se trata de um texto relativo a sua pesquisa, a sua contribuição para a ciência, logo, devem ser escritos com suas próprias palavras.

    Por fim, não se esqueça de que citações não referenciadas de obras de outros autores configura-se como plágio, o qual se constitui uma prática muito combatida no mundo acadêmico e que traz impactos deletérios à ciência.

    Por consequência, é importante ressaltar que para evitar o plágio não é preciso transcrever cada passagem do autor utilizada em nosso artigo, mas é preciso fazer a citação indireta com a respectiva referência da obra extraída.

    Dessa forma, ao se ler o trabalho de determinado autor, você extrairá as principais ideias e apresentará o pensamento deste autor ou desta autora com as suas próprias palavras e indicando a referência de onde se encontra tais reflexões.

    Assim, lembre-se de que a referência das citações faz parte da honestidade acadêmica, pois, você está atribuindo a autoria de determinadas conclusões a quem realmente as alcançou.

    Inexistência de Suspense nos Artigos Científicos

    Como já mencionamos em nossa publicação anterior, não deve haver suspense nos artigos científicos.

    Assim, desde o início, você deve apresentar ao seu leitor qual é a sua hipótese de pesquisa e quais foram os resultados obtidos.

    Desse modo, em alguns artigos, os resultados da pesquisa já são evidenciados no título do texto científico e isto está correto, pois a nossa intenção não é captar a atenção do leitor por meio do suspense quanto aos resultados obtidos.

    A atenção do leitor é captada em razão do caminho percorrido no artigo para chegar aos resultados apresentados no artigo científico.

    Dessa forma, lembre-se de que a sua audiência, ao ler o seu artigo científico, buscará saber: como este pesquisador ou esta pesquisadora concluíram tais coisas? Como estes pesquisadores chegaram a este resultado? Como eles ou elas comprovarão esta hipótese de pesquisa?

    Em suma, estas são as perguntas que fazem com que o público de seu artigo científico se interesse em seu trabalho e siga a leitura deste.

    Neste sentido, se você é uma pessoa que possui o enfoque de despertar a curiosidade de sua audiência, uma dica relevante é: comece falando sobre os posicionamentos e dados contrários ao seu.

    Dessa maneira, você mostrará a tensão e os obstáculos que serão enfrentados, utilizando-se, portanto, de técnicas de storytelling para captar a atenção de seu público de leitores.

    Consequentemente, a trajetória do herói (ou seja, a sua trajetória) ocorrerá por meio da superação de todos os desafios e pelo enfrentamento de todos os obstáculos para chegar a determinado ponto de sua pesquisa.

     

    Como o artigo científico não é uma narrativa, não se pode deixar o clímax para o final, mas é possível adotar algumas técnicas de storytelling para lhe ajudar a tornar o texto mais instigante ao seu leitor sem perder a cientificidade, a clareza e a concisão.

     

    A Ferramenta de Artigos Científicos da Codex Data pauta-se, nestas técnicas de storytelling, para a elaboração dos textos científicos para auxiliar na estruturação do seu pensamento e na elaboração de textos bem escritos.

    A norma ABNT NBR 6028: 2003 dispõe acerca dos resumos em trabalhos acadêmicos e em artigos científicos, sendo que, conforme o item 3.1, o resumo deve conter: “o objetivo, o método, os resultados e as conclusões do documento.”.

    Em virtude do que fora acima apontado, pode-se notar que, desde o resumo de seu artigo científico, o suspense deve ser eliminado, pois você deverá mencionar os resultados e as conclusões de sua pesquisa.

    A Importância dos Resultados e das Conclusões no Resumo do Artigo Científico

    Você deve estar se perguntando: Por que preciso falar desde o resumo acerca de meus resultados e das minhas conclusões?

    Esta é uma relevante pergunta e é preciso compreender a sua resposta para inclusive saber selecionar as referências bibliográficas que serão empregadas em seu artigo científico.

    Imagine um pesquisador que estuda a sua mesma área do saber. Ele precisa acompanhar as novidades, as pesquisas que estão sendo realizadas etc para poder contribuir para o avanço da ciência.

    Desse modo, este pesquisador ou esta pesquisadora precisarão, previamente, desenvolver técnicas de seleção de publicações científicas para poderem ler aquilo que, realmente, interessa.

    Imagine se fosse necessário ler um artigo de 30 páginas, por exemplo, até o fim para saber se ele será útil ou não para a sua pesquisa.

    Dessa maneira, ao se padronizar, por meio das normas ABNT, que  os resumos devem conter os objetivos, os métodos, os resultados e as conclusões da pesquisa, torna-se claro que é possível fazer a seleção prévia dos trabalhos científicos relevantes para determinada pesquisa por meio dos resumos dos artigos científico encontrados por meio da busca de palavras-chave.

    Essa é a razão também de ser necessária a elaboração deste resumo em língua estrangeira, pois, desse modo, pesquisadores estrangeiros poderão acompanhar as pesquisas que estão sendo realizadas em outros países.

    Caso um estrangeiro encontre determinado artigo científico publicado no Brasil interessante para a sua pesquisa, este cientista poderá obter a tradução do artigo e/ou entrar em contato com o autor ou a autora.

    Como é possível notar, ao não se criar suspenses, poupa-se um tempo relevante para os pesquisadores, os quais poderão fazer as primeiras filtragens por meio da leitura dos resumos.

    Por conseguinte, ao escrever um resumo, pense como você gostaria de receber as informações da pesquisa de um artigo científico para facilitar a sua primeira seleção de trabalhos relevantes para o desenvolvimento de seu trabalho científico.

    Em suma, um resumo sem suspense permite um maior impacto do artigo científico (aumentando o número de citações) e poupa a pesquisa de muitos cientistas que, em um primeiro instante, estão fazendo a análise de artigos relevantes para seus trabalhos científicos.

    Traduções dos Artigos Científicos: considerações gerais

    Neste post, estamos discutindo algumas características da escrita científica, como, por exemplo, a necessidade de referenciar todos os documentos utilizados em seu artigo científico.

    Desse modo, é importante falarmos um pouco acerca das traduções dos artigos científicos, principalmente, no que se refere à tradução para a língua inglesa.

    É fato que a maior parte dos textos científicos atuais estão sendo escritos em inglês e as revistas de alto impacto publicam em inglês os artigos científicos.

    Consequentemente, para possuir um artigo científico de impacto internacional, torna-se cada vez mais importante publicar em revistas científicas estrangeiras em inglês.

    Assim, ao falarmos acerca das traduções dos artigos científicos, há uma dúvida frequente entre os pesquisadores: é recomendável escrever um artigo em português e, depois, enviar para um tradutor para escrevê-lo em inglês para eu poder publicar em uma revista internacional?

    Primeiramente, gostaríamos de mencionar que não consideramos uma prática errada ou que deve ser evitada.

    Por outro lado, faremos algumas considerações acerca deste assunto no intuito de incentivar a obtenção de autonomia por parte dos pesquisadores brasileiros quanto a esta questão.

    Embora não seja uma prática errada entregar a um tradutor um artigo científico escrito em português, é preciso ressaltar que, dificilmente, este tradutor saberá os termos técnicos de sua área, sendo, em via de regra, um profissional da área de Letras.

    Em razão das especificidades de cada área, muitas vezes, o vocabulário não é empregado de forma adequada.

    Na área do Direito, por exemplo, já vimos textos traduzidos por profissionais em que o termo “controle de constitucionalidade” é traduzido como “control of constitutionality”; porém, a tradução correta seria “judicial review”.

    Desse modo, seria importante que o pesquisador alcançasse a sua autonomia e conseguisse escrever os seus artigos em inglês.

    Assim, recomenda-se que alunos da graduação ou da pós-graduação, que desejam publicar textos de impacto internacional, inscrevam-se em cursos de inglês para que não dependam de traduções.

    Há também alguns pesquisadores que sabem inglês, mas escrevem mais rápido em português, logo, solicitam a tradução do texto para profissionais da área de tradução.

    No que concerne a esta prática, não há tantos problemas como a anterior (recorrer à tradução sem saber a língua inglesa), pois o pesquisador poderá e deverá fazer a revisão da tradução para verificar se os termos técnicos foram empregados de maneira adequada.

    Quanto aos pesquisadores que desejarem escrever em inglês, sem recorrer a tradutores, recomenda-se, para facilitar a escrita, que estes cientistas, ao lerem artigos de sua área em inglês, anotem os termos e expressões típicas de sua área, para que o seu texto consiga transmitir o conteúdo em outra língua de forma adequada.

    No que se refere à dica anterior, nós a fazemos, pois há muitos artigos de pesquisadores brasileiros que é uma tradução literal do português para o inglês, sem haver a cautela de se verificar se determinadas expressões são utilizadas na língua inglesa e se são adequadas naquele contexto.

    Por fim, a última recomendação que fornecemos é: não utilize o Google Tradutor para traduzir o seu texto em português para o inglês. O Google Tradutor é uma importante ferramenta disponível gratuitamente, mas não atende às necessidades específicas da escrita científica.

    Considerações Finais

    Neste post, buscamos fornecer algumas dicas e informações relativas à escrita científica para que você consiga alcançar o seu objetivo: publicar um artigo científico.

    Desse modo, é necessário adequar a escrita de uma forma correta para que consiga obter o atributo de científica.

    Assim, lembre-se da relevância de fazer as referências de todos os documentos utilizados para a elaboração de seu artigo científico e de não fazer suspense no seu texto científico.

    Neste sentido, é importante salientar que, desde o resumo, é necessário apontar os resultados e as conclusões obtidas em sua pesquisa, logo, não os deixe para informar ao seu leitor no final do artigo científico, pois, além de violar a norma da ABNT referente a resumos, você não estará facilitando o trabalho do pesquisador quanto à seleção de artigos que sejam conectados com a pesquisa que está sendo desenvolvida.

    Finalmente, ao se pensar em contratar o serviço de tradução, deve-se pensar na necessidade de se fazer a revisão do texto para analisar se os termos técnicos foram traduzidos de forma correta.

    Esperamos que tenha gostado e deixe seu comentário para aprimorarmos o nosso conteúdo.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Rolar para cima